Confecção

Sertão cearense tem pólo de moda íntima

A cidade de Frecheirinha, a 288 quilômetros de Fortaleza, se consolida como a capital da lingerie no Estado

Calcinhas, corseletes e sutiãs das mais variadas cores e modelagens estão mudando a economia do município de Frecheirinha (CE), no semiárido cearense. Com a sua vocação econômica focada, até o final do século XX, na ovinocaprinocultura, bovinocultura leiteira e agricultura irrigada, com o cultivo de algodão, ata, coco, goiaba e graviola, a cidade, que fica entre os municípios de Sobral e Tianguá, começa a imprimir a sua própria marca de desenvolvimento.

A história de mudança no perfil econômico do município começou há quase vinte anos, quando a primeira empreendedora decidiu ganhar um dinheiro extra, confeccionando calcinhas e sutiãs em casa. Como não sabia como fazer, precisou desmanchar algumas peças e perder outras para encontrar o corte certo e a costura perfeita.

Hoje, o Pólo de Moda Íntima de Frecheirinha, a partir do apoio do Sebrae no Ceará, ganhou logomarca, comemora a criação da Associação dos Confeccionistas de Frecheirinha (Ascof) e pretende se firmar como a opção número um para compradores de lingerie de todo o País.

Quem entra na cidade de casas características do interior cearense, não imagina que pode encontrar ali opções para crianças e adultos, que vão das peças mais simples às mais arrojadas, cheias de sensualidade e revestidas de renda, laços, fitas e pedrarias. E a idéia do Pólo é justamente essa: funcionar como um grande shopping de lingerie, onde o comprador possa encontrar tudo o que procura, sem sair da cidade. E isso já vem acontecendo.

As peças confeccionadas pelas pequenas indústrias, cujas lojas de pronta entrega ficam lado a lado, em algumas ruas da cidade, estão nas prateleiras de boutiques e lojas de departamento de cidades da Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro, Pará, Brasília e Amazonas.

Para os 20 empreendedores que integram a Ascof e que ajudam a reforçar os 200 empregos diretos gerados pela indústria de moda íntima do município, o objetivo é trazer para a cidade novas empresas que ofereçam mais opções para os compradores. Para conseguir mais adesões, a prefeitura do município está acenando com uma oferta.

“A Prefeitura se propõe a treinar, por 90 dias, o pessoal que poderá vir a trabalhar nas novas fábricas, sem ônus”, garante o secretário de Indústria e Comércio do município, João Viana, também empresário do setor.

Em contrapartida, o município pede mais investimento em sinalização, principalmente na BR-020, que dá acesso à cidade. “Queremos que todos saibam que aqui existe um Pólo de Moda Íntima, para que as pessoas parem e comprem”, reforça Viana. Eudes Almeida, vice-prefeito, é outro que reitera a necessidade de dar maior visibilidade ao município.

“Precisamos colocar Frecheirinha no mapa de compras do Ceará”, explica, ressaltando que um projeto de sinalização específica para o município já está pronto e deve ser implementado o mais rápido possível.

Produção

Produzindo 200 mil peças/mês, Frecheirinha, com 14 mil habitantes, tem cerca de 17% da sua população economicamente ativa trabalhando no setor de lingerie. Gente como Lúcia Azevedo, que há 11 anos montou a sua empresa a D`Kary, que mantém com a ajuda dos dois filhos. “No início, só três funcionários ajudavam. Hoje, a empresa produz 22 mil peças/mês. E graças a esse mercado, temos ocupação e renda”, explica.

História parecida com a de Maria Fernandes, dona da Brumarrie. Criada com o marido, Rogier Bruno, a empresa mudou a vida do casal. “No começo era só eu. Trabalhava usando uma máquina de costura simples, enquanto ele viaja como motorista de caminhão. Hoje, são 32 funcionários”, conta. E a produção tem uma característica bem peculiar: o acabamento cheio de detalhes. “Gosto de estar sempre inovando nessa área”, conta.

Inovação, também, é a palavra de ordem da ‘Hibisco’. A empresa do secretário João Viana tem uma variada linha de produtos que é comercializada até em Tocantins, o que populariza o Pólo. Quem confirma é Sérgio Lima, representante de indústrias de malha, cotton, fio, linha e liganete. Ele é de Teresina e vende para as empresas do município desde 1999. “As indústrias daqui cresceram muito. Todo mês eu tenho que vir aqui. Algumas ocasiões, até duas vezes. E está tão forte que só nesta viagem eu consegui mais três clientes”, comemora.

Para o prefeito Helton Luis Aguiar Junior, tal crescimento é muito importante para o município. “Enfrentamos aqui muitas dificuldades. Mas, temos a sorte de ter esse diferencial representado pelas empresas de lingerie. Se não fosse esse Pólo organizado e incentivado pelo Sebrae/CE, não sei o que seria da gente, já que, como em todo lugar, aqui também tem muitas pessoas procurando emprego”, explica.

Aguiar Junior ressalta a importância do Sebrae/CE nesse processo. “O Sebrae tem ajudado e em tudo. Com cursos, com a abertura de mercado, na área de comercialização e na melhoria da qualidade do produto final. Devemos muito ao Sebrae”, reconhece.

Um reconhecimento que também é compartilhado por Filomena Rodrigues, presidente da Ascof. “Hoje, o nosso Pólo é uma referência nacional graças ao Sebrae/CE. Foi por causa dele que nós desenvolvemos um diferencial de qualidade e nas tendências de cores e formatos. E dentre outras ações planejadas junto com o Sebrae, está uma missão empresarial para São Paulo e Rio de Janeiro, com o objetivo de visitar clientes apresentando as novas coleções. Pretendemos, também, criar aqui um curso profissionalizante para capacitar e qualificar profissionais para as empresas do município. Tanto as que já estão aqui, como para as que venham a se instalar”, conclui.

Serviço:
Sebrae no Ceará – (85) 3255-6600